Análise Preliminar do Suposto Meteorito de São Mamede

No último dia 07 de julho, uma equipe da APA analisou o suposto meteorito que foi encontrado em São Mamede no estado da Paraíba. Segue o resultado dessa análise preliminar:

Suposto meteorito de São Mamede

Suposto meteorito de São Mamede

HISTÓRICO

Por volta de 12h do dia 19 de junho de 2015, o Sr. Jonas Tiburtino Nóbrega, de 32 anos, que trabalha na operação tapa-buracos do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), caminhava a beira da rodovia PB-251, entre São Mamede-PB e Ipueira-RN, quando avistou uma pedra muito brilhosa com tons de azul e verde. Ela estava parcialmente coberta de terra e parte dela encontrava-se afundada na lama.

Jonas conta que a viu de longe e ficou curioso e encantado com o brilho, e então, levou-a para casa e a mostrou aos familiares. Eles resolveram pesquisar sobre aquilo na internet e descobriram, comparando com outras imagens, que poderia se tratar de um fragmento de meteorito.

Surpreso com a possibilidade dela ter caído do céu, Jonas resolveu ir até a Rádio Espinharas de Patos, PB para contar a sua história e se colocou a disposição para submeter o material para que fosse estudado por especialistas.

Após a divulgação dessa notícia no dia 26 de junho de 2015, a APA – Associação Paraibana de Astronomia procurou o Sr. Jonas com o intuito de realizar as análises na rocha para determinar se poderia ou não se tratar de um meteorito.

No último dia 07 de julho de 2015, uma equipe formada por Marcelo Zurita, Diego Rhamon e Renato Bandeira foi até Patos para encontrar com o Sr. Jonas e realizar os testes no Laboratório de Química do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba, Campus Patos.

Equipe presente durante a análise

Equipe presente durante a análise

No IFPB, a equipe foi recebida pelo Professor Hélio de Brito, diretor do Campus, que deixou a disposição toda a estrutura e equipamentos do laboratório, além de acompanhar todo o processo de forma a não deixar faltar nada para a realização do trabalho de análise.

Durante o processo, o objeto foi medido, pesado e calculado seu volume e consequentemente a densidade. Foram feitas também as análises da morfologia da peça e a retirada de uma pequena amostra para ser analisada em João Pessoa e outra para análise no Departamento de Meteoritos do Museu Nacional do Rio de Janeiro.

MORFOLOGIA

O objeto analisado possui aproximadamente 20,7 cm de comprimento, 13 cm de largura, 9 cm de altura e pesa 1,580Kg. O volume calculado foi de 652 cm³ e a densidade, 2,423 g/cm³.

Sua cor é predominantemente cinza com uma tonalidade escura.

Possui uma aparência disforme com duas faces bem distintas. Em uma das faces, que chamaremos “face superior”, ele apresenta depressões semelhante a remaglitos. A face contrária, que chamaremos de “face inferior”, apresenta algumas protuberâncias com formato irregular e com superfície lisa. Algumas dessas protuberâncias se destacam do restante da peça formando pequenos vãos. Outras parecem se sobrepor formando fendas entre elas.

A face superior e as laterais apresentam um brilho vítreo em quase toda a superfície. Determinados pontos na face superior e na borda apresentam manchas azuladas e esbranquiçadas com brilho vítreo.

Em alguns pontos existem áreas rugosas que parecem indicar rupturas e que expõe a matriz do objeto. Algumas dessas áreas rugosas possuem coloração avermelhada.

A face inferior, apesar de lisa em quase toda a superfície, não apresenta o mesmo brilho vítreo, salvo em algumas regiões próximas às bordas.

São notadas também a presença de bolhas e algumas depressões mais profundas em ambas as faces. Em algumas das depressões da face inferior, percebe-se também o acúmulo de um pó amarelado. Em uma das bordas foi encontrado um pequeno pedaço de carvão encrustado.

A matriz é predominantemente escura e porosa, com grânulos de formato irregular mais claros, alguns deles apresentam coloração roseada. Também apresenta uma grande quantidade de bolhas, algumas delas com brilho vítreo.

O material apresentou também atração magnética em seu exterior. Quando seccionada a matriz, percebeu-se um grânulo metálico alongado com cerca de 2mm de comprimento por 1mm de largura.

Face superior

Face superior

Face inferior

Face inferior

Face direita

Face direita

Face frontal

Face frontal

Face esquerda

Face esquerda

 

INDÍCIOS

Positivos:

  • Na face superior, o objeto apresenta semelhança com o aspecto de um meteorito. Nota-se a presença de remaglitos e aparência de derretimento com superfície lisa e brilho vítreo.

  • Material apresenta magnetismo, ou seja, é atraído por um imã, o que indica a presença de metal em sua composição, como ocorre na maioria dos meteoritos.

Negativos:

  • A densidade calculada, 2,423 g/cm³ é muito baixa para os meteoritos mais comuns.

  • Possui algumas fendas profundas e algumas bolhas na superfície, que não são compatíveis com o derretimento provocado pela ablação atmosférica.

  • As protuberâncias presentes na face inferior tem a aparência de que o material derretido foi derramado, formando grandes fendas e vãos. Essas formas são incompatíveis com o derretimento uniforme ocorrido na ablação atmosférica.

  • A presença do pó amarelado acumulado em algumas fendas pode ser indício de uma contaminação externa, uma vez que a pedra foi encontrada parcialmente enterrada. Também foi informado que, após ser encontrada, a pedra foi lavada com água e sabão e secada ao sol. No entanto, um diagnóstico mais preciso, a respeito desse pó, só será possível com a análise química do mesmo.

  • Sua matriz predominantemente escura e áspera, sem côndrulos e com grande quantidade de vesículas e bolhas formando um aspecto poroso, não é característica de rocha meteorítica que geralmente são densas e compactas.

  • Os fragmentos de roseados encontrados no interior da rocha parecem ser cristais de quartzo. Esses cristais não ocorrem em rochas meteoríticas.

  • O pedaço de carvão encrustado em um dos lados da pedra é um indício de que ela entrou em contato com o material orgânico enquanto ainda estava em estado líquido, o que só seria possível se isso ocorresse em ambiente terrestre.

Área rugosa da matriz exposta e pó amarelado acumulado em uma depressão

Área rugosa da matriz exposta e pó amarelado acumulado em uma depressão

Carvão encrustado em uma das bordas

Carvão encrustado em uma das bordas

Coloração azulada

Coloração azulada

Protuberâncias se sobrepondo formando fendas e depressões profundas

Protuberâncias se sobrepondo formando fendas e depressões profundas

Matriz com bolhas, grânulos claros e roseados

Matriz com bolhas, grânulos claros e roseados

Matriz

Matriz

Sulcos e fendas

Sulcos e fendas

Fendas

Fendas

Coloração azulada

Coloração azulada

Detalhe “remaglito”

Detalhe “remaglito”

Coloração azulada e esbranquiçada e algumas bolhas

Coloração azulada e esbranquiçada e algumas bolhas

Grande fenda

Grande fenda

DIAGNÓSTICO

Em função dos indícios acima apresentados, apesar de o fragmento apresentar algumas características típicas de meteoritos, existem outras características que praticamente vetam essa possibilidade.

A morfologia da parte inferior são mais compatíveis com uma deposição de material derretido sob efeito de gravidade elevada, o que pode indicar uma origem vulcânica ou apenas descarte de algum processo industrial.

Ainda não foi descartada totalmente a possibilidade de ser um meteorito. Contudo, em função do que já foi apresentado, essa possibilidade é praticamente nula.

Não era objetivo desta análise preliminar, definir precisa da origem do material. Para tanto, foi coletada uma pequena amostra para que seja feita a análise da sua composição química. As imagens coletadas nesta análise estão sendo enviadas também para apreciação por especialistas em geologia.

Abaixo um link para o relatório da análise preliminar realizado pela APA:

– Análise Preliminar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *